Reposio de testosterona: A fonte de juventude revelada?

Dr. Valter Javaroni, Urologia

Publicado em 29/01/2024 - Atualizado em 22/04/2024



Com o aumento da expectativa média de vida e a valorização da conquista e manutenção de uma atividade sexual satisfatória, os homens têm enfrentado conflitos durante o processo natural de envelhecimento. O desempenho físico, a performance e o apetite sexual, segundo a cultura vigente, podem e devem permanecer no ápice.

A dedicação aos exercícios físicos e à alimentação balanceada muitas vezes não são suficientes para os, cada vez mais exigentes, parâmetros de referência. Assim, o declínio fisiológico antes tolerado e associado à idade acaba frequentemente sendo considerado manifestação de uma doença. É esse o contexto no qual a reposição de testosterona ganhou grande destaque. Cremes, gel, injeções ou implantes. Será que aumentar os níveis de testoterona traz benefícios para todos?

Por muito tempo, o principal hormônio masculino é sinônimo de juventude e virilidade. Seu uso já esteve restrito ao ambiente das academias, época em que muitos temiam seus possíveis efeitos adversos. Era associada à atrofia dos testículos, infertilidade e doenças no fígado. Hoje, o uso da testosterona se popularizou de forma notável. A maior circulação da informação alardeando benefícios, a ampliação do acesso aos serviços de saúde, as dosagens hormonais realizadas com maior frequência, o óbvio interesse da indústria farmacêutica na promoção de seus produtos, a maior oferta de medicamentos capazes de elevar níveis hormonais, o significativo aumento dos profissionais prescritores e os avanços no conhecimento específico na área com novos estudos científicos demonstrando eficácia e segurança em sua administração, são fatores que ajudaram na multiplicação das receitas com testosterona ou percursores.

Mas será que todos que usam hormônios realmente precisam? E aqueles que necessitam, fazem a reposição e o acompanhamento da forma correta? Como ocorre nas novidades rapidamente incorporadas, o tempo deverá nos apresentar as melhores respostas. Urge, porém, a desconstrução de certas crenças e mitos que acabam interferindo negativamente no uso saudável dos avanços no conhecimento em saúde. Ora por assustar quem efetivamente merece receber tratamento, ora por incutir a falsa esperança de que todos os problemas serão resolvidos através do aumento da testosterona.

Os níveis de TESTOSTERONA variam com a idade, com o peso, com a circunferência abdominal, com o tempo e qualidade do sono, com o metabolismo individual e com vários outros fatores. Após os 40 anos há um declínio gradual que é considerado fisiológico, ou seja, parte natural do envelhecimento masculino. Portanto, cada indivíduo tem uma certa quantidade de hormônio circulante. O que é considerado baixo para um pode ser absolutamente adequado para outro. A simples comparação com valores de referência disponibilizados em exames laboratoriais não permite nenhum diagnóstico conclusivo e não deve motivar a medicalização;

1. Quem mantém hábitos de vida saudáveis, exercitando-se regularmente, alimentando-se de forma inteligente, controlando o peso, dormindo bem e cultivando uma vida social tem maior chance de manter seus níveis hormonais equilibrados. Portanto, se você quer manter-se saudável aos 80 anos comece agora a cuidar do seu corpo. Reserve pelo menos 40 minutos do seu dia para atividade física aeróbica. Pense na hora de fazer seu prato de comida e valorize um boa noite de sono. Dessa forma simples e saudável, você conseguirá conservar sua produção hormonal e sua ação androgênica (efeito da testosterona) e provavelmente nunca necessitará de reposição;

2. Mais testosterona não significa maior potência sexual! Nenhum estudo robusto demonstrou que, quem tem maior quantidade de testosterona circulante tem mais libido ou demonstra melhor desempenho sexual. A interação da testosterona com seus receptores celulares deflagra uma ação que varia de indivíduo para indivíduo. Chamamos isso de sensibilidade androgênica. É sabido, por exemplo, que nos indivíduos da raça negra, a ação androgênica é maior. Portanto, o valor numérico da testosterona não deve ser considerado isoladamente. Ele é apenas um dado que entra num conjunto de variáveis para a individualização da conduta;

3. A dosagem da testosterona TOTAL quando solicitada deve ser feita pela manhã, entre 7 e 10 horas. Quando considerada baixa, ela deve ser repetida em conjunto com outros exames para assim permitir ao profissional de saúde o entendimento da possível causa da deficiência hormonal e a identificação da possível interferência de outros hormônios no quadro apresentado. O conhecimento de valores prévios da testosterona esclarece se houve efetivamente uma queda ou se as taxas já eram essas anteriormente;

4. A testosterona não causa câncer da próstata. Na verdade, a idade de maior prevalência desse tipo de câncer coincide com um momento de menores taxas do hormônio no organismo do homem (50-70 anos). Todavia, é recomendada a avaliação da saúde prostática para homens com mais de 40 anos que estejam considerando a possibilidade de interferir nos níveis de testosterona. Afinal, a suspeita ou o diagnóstico de câncer da próstata constitui contraindicação absoluta para o aumento dos níveis desse hormônio;

5. A reposição hormonal masculina bem indicada respeita três regras básicas e consiste na situação em que o homem apresenta, em duas dosagens laboratoriais, níveis de testosterona total realmente baixos. Afinal o termo reposição significa recuperar níveis fisiológicos. Além disso, há ainda a necessidade de que o paciente manifeste queixas, ou seja, que existam sinais e sintomas que possam ser associados à essa queda hormonal. Quem não tem nenhuma queixa e está com saúde perfeita não precisa de remédio. E finalmente, ainda é necessário que não existam contraindicações formais para a reposição. Como citado, a suspeita ou o diagnóstico de câncer da próstata ou de mama no homem impede a reposição do hormônio, pois irá acelerar a progressão dessas doenças. Outras possíveis contraindicações: Policitemia (excesso de hemácias), hipertensão não controlada, enxaqueca, epilepsia, hiperplasia da próstata sintomática e apneia obstrutiva do sono.

6. Quando o homem inicia a reposição hormonal, deve aproveitar o estímulo androgênico para a adoção de hábitos mais saudáveis. Lembre-se que o aumento dos níveis de testosterona vai gerar benefícios que serão percebidos de forma gradual. A prática regular de exercícios, a alimentação equilibrada, o controle do peso e o sono de boa qualidade aceleram esse processo. Existe uma cronologia na melhora dos sintomas e por isso é necessário paciência e persistência. A libido costuma melhorar em semanas, o cansaço e a força muscular em meses, mas a mineralização óssea (osteoporose) exige anos de tratamento. Não desanime!

Quem faz reposição precisa realizar os exames periódicos com intervalos regulares e definidos pelo profissional e saúde. Além de verificar a melhora clínica (alívio das queixas que motivaram a reposição) é importante checar e descartar possíveis complicações como: aumento excessivo do hematócrito, elevação exagerada dos níveis do PSA (antígeno prostático específico), aumento da pressão arterial, piora da qualidade do sono, entre outras.

Portanto, não desapareça do consultório!

Deixe um Comentário

Comentários: