Afinal, Crie Di?

Dr. Marcelo Jacob, Odontologia

Publicado em 22/01/2024 - Atualizado em 22/04/2024



Uma das perguntas que nós dentistas mais escutamos em nossos consultórios quando diagnosticamos uma cárie (extensa ou não) é: Doutor, cárie dói?

A resposta é simples

A cárie dentária em sua grande maioria não dói, e esse é o maior risco que os pacientes correm quando não frequentam o consultório para realizar um exame clínico regular.

Frequência das visitas ao dentista

A crença de que realizar exames a cada 6 meses é a recomendação universal É UM MITO!!

A frequência ideal desses exames pode variar consideravelmente, dependendo da saúde bucal individual do paciente e da prática de hábitos de higiene adequados. Assim, muitos pacientes podem se beneficiar de visitas anuais, enquanto alguns poucos podem necessitar de consultas a cada 3 meses, em média.

Sintomas

Os sintomas geralmente se manifestam em cáries que estão em proximidade significativa do canal radicular (nervo), levando à invasão bacteriana e, por conseguinte, à inflamação e necrose desse órgão, que possui defesas limitadas.

Entretanto, é crucial ressaltar que na área da saúde, nada segue uma lógica matemática, pois não se trata de uma ciência exata. Embora seja comum observar sintomas em cáries próximas ao canal radicular, não podemos considerar isso como uma regra infalível.

Cáries pequenas, às vezes, também podem apresentar sintomas, porém são mais difíceis de ocorrer.

O que causa a cárie?

Os seres humanos têm características físicas diferentes entre si. No contexto da cárie, sua evolução pode variar consideravelmente, sendo influenciada por diversos fatores. Entre esses, destacam-se o pH da saliva, a ingestão de açúcares, a qualidade da higiene bucal, as condições gerais de saúde, a presença ou ausência de comorbidades, e muitos outros.

A progressão da cárie não pode ser reduzida a um único determinante. A interação desses fatores que citei acima cria um cenário único para cada indivíduo, tornando essencial uma abordagem personalizada na prevenção e no tratamento.

Como diagnosticar?

Atualmente, contamos com diversos métodos para diagnosticar a cárie, que vão desde os exames clínicos e radiográficos tradicionais até tecnologias mais recentes, como aparelhos a laser. Estes últimos têm a capacidade de "enxergar" pequenas cáries interproximais, localizadas entre os dentes.

A utilização de tecnologias avançadas, como os aparelhos a laser, representa um avanço significativo no diagnóstico precoce de cáries, possibilitando a identificação de lesões em estágios iniciais. Isso proporciona aos profissionais de saúde bucal a oportunidade de intervir de maneira mais eficaz, muitas vezes antes que as cáries atinjam estágios mais avançados.

É importante ressaltar como essas inovações complementam os métodos tradicionais, aprimorando a precisão e a abrangência do diagnóstico, beneficiando assim a saúde bucal dos pacientes.

Como prevenir?

A importância da prevenção na nossa saúde é inegável. É crucial não aguardar a manifestação da dor para procurar a orientação de um dentista, uma vez que o tratamento de uma cárie pode ser realizado de maneira simples e rápida quando identificado em estágios iniciais.

Por outro lado, se a condição evoluir para estágios avançados, a intervenção torna-se mais demorada e complexa, envolvendo a reparação de danos extensos à estrutura dentária. Portanto, agir proativamente, adotando medidas preventivas e realizando consultas regulares, é a chave para preservar a saúde bucal e evitar complicações!

Cuidem-se!

Deixe um Comentário

Comentários: