logo

BrazilHealth
Fazer login
Como a Acupuntura ajuda no tratamento do Câncer

Dr. Liaw Chao, Acupuntura
Publicado em 03/10/2017 - Atualizado em 13/10/2017


Ao percorrermos a história da humanidade, podemos constatar que muitas das doenças com as quais convivemos atualmente já eram descritas em textos da antiguidade. Portanto, não é surpresa que, desde o início dessa época, as pessoas tenham escrito sobre o câncer. Esses relatos, no entanto, não eram ricos em detalhes - e o principal motivo é porque as pessoas não viviam o suficiente para que a doença se manifestasse de maneira significativa.

Algumas das primeiras evidências do câncer foram encontradas em tumores ósseos fossilizados, múmias humanas do antigo Egito e em manuscritos da época.

Desde então, muito se evoluiu na detecção, diagnóstico precoce e tratamento das lesões cancerígenas. Os pacientes diagnosticados positivamente com a doença estão sendo cada vez mais beneficiados por novos recursos, que surgem sob diferentes formas terapêuticas - cirurgia, radioterapia, quimioterapia, terapia hormonal e imunoterapia.

Os tratamentos contra o câncer podem geralmente provocar o aparecimento de efeitos colaterais - problemas que podem ocorrer quando tecidos ou órgãos saudáveis são afetados. Os efeitos secundários variam de paciente para paciente, mesmo entre aqueles que recebem o mesmo tipo de tratamento. Algumas pessoas apresentam poucos efeitos colaterais, enquanto outras podem apresentar vários. 

Entre os efeitos colaterais mais comumente associados ao tratamento do câncer, podemos citar: 

-Anemia / Neutropenia

-Perda de apetite

-Hemorragia / Hematomas

-Diarréia / Constipação

-Delírio / Depressão

-Edema / Linfedema

-Fadiga

-Problemas de Fertilidade

-Queda de cabelo (Alopécia)

-Infecção

-Problemas de memória ou concentração

-Lesões em boca e garganta

-Náusea e vômitos

-Dor / Neuropatia periférica

-Alterações na pele

-Distúrbios do sono

-Alterações urinárias

Devido à constatação de que muitos pacientes com câncer estavam em busca de terapias de apoio, na esperança de encontrar uma cura para sua doença, assim como a busca do bem-estar físico e mental criou-se o Centro Nacional de Medicina Complementar e Alternativa (NCCAM) que mais para frente foi rebatizado como Centro Nacional de Saúde Complementar e Integrativa (NCCIH).

Existem hoje mais de 50 instituições nos Estados Unidos que carregam o termo integrativo em seu nome, em centros como Dana-Farber Cancer Institute em Boston, Memorial Sloan-Kettering Cancer Center em Nova Iorque, e M.D. Anderson Cancer Center em Houston. A maioria deles oferece tratamentos como acupuntura, fitoterapia, yoga, massagem, meditação e orientação nutricional, juntamente com tratamentos com medicamentos convencionais e cirurgia.

Esse conjunto de esforços, que reúne o trabalho da equipe médica e de profissionais de terapias integrativas, tem como objetivo principal oferecer condições de bem-estar físico e emocional, além de um ambiente adequado para o tratamento e recuperação dos pacientes

Mais recentemente, outros mecanismos envolvidos no tratamento por acupuntura foram descritos, como o efeito anti-inflamatório pela liberação do cortisol, antidepressivo e analgésico pela liberação da serotonina, além dos efeitos modulatórios sobre a neuroplasticidade cerebral.

Sendo assim, a acupuntura pode ter um papel importante na abordagem e tratamento de sintomas relacionados ao câncer:

Náuseas e Vômitos Induzidos por Quimioterapia

Segundo National Institute of Health (NIH) a acupuntura é eficaz no tratamento de adultos com náuseas e vômitos pós-operatórios, decorrente da quimioterapia e provavelmente para a náusea da gravidez - quando comparado isoladamente com o uso de medicamentos anti-eméticos. 

Dor no câncer

A Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou uma Escada Analgésica de 3 passos para o alívio da dor no câncer em adultos. Dessa forma, na ocorrência de dor, o paciente deve receber administração oral de drogas na seguinte ordem:

  1. Dores fracas: medicamentos analgésicos simples e anti-inflamatórios;

  2. Dores moderadas: opioides leves (como a codeína) que podem ser associados aos analgésicos simples ou anti-inflamatórios;

  3. Dores fortes: opioides fortes (como a morfina) associados ou não aos analgésicos simples ou anti-inflamatórios - até que o paciente esteja livre da dor.

Mesmo após mais de 30 anos desde a recomendação da Escada Analgésica pela OMS, cerca de 55% dos pacientes com câncer ainda sofrem de várias formas de dor, com impacto significativo na qualidade de vida. 

Sabemos que a dor por câncer pode ser provocada por uma combinação de fatores biológicos, psicológicos, e componentes sociais. Efeitos analgésicos induzidos por acupuntura podem influenciar fortemente o aspecto psicoemocional da dor. Estudos já demonstraram também a eficácia da acupuntura no controle da dor durante o período pós-operatório de procedimentos cirúrgicos, com redução do consumo de medicamentos analgésicos. 

Ansiedade e Depressão

Massagens combinadas com acupuntura em pós-operatório de cirurgias por câncer podem melhorar o humor depressivo desses pacientes, quando indicados em conjunto com os cuidados habituais.

Fadiga

Vários estudos prospectivos demonstraram que a acupuntura pode beneficiar pacientes que têm fadiga relacionada à quimioterapia. Em um desses trabalhos, a acupuntura resultou em melhora de 31,3% sobre a linha de base de pacientes com fadiga persistente, que já haviam completado anteriormente a terapia citotóxica e não apresentavam anemia.  

Neuropatia

A neuropatia induzida por quimioterapia (por exemplo, a partir de compostos relacionados com platina e taxol), é um problema relativamente comum. Um pequeno estudo piloto realizado com cinco pacientes sugeriu uma resposta parcial à acupuntura que não poderia ser explicada por nenhum outro mecanismo neurofisiológico conhecido. Esta é uma área que ainda está em estudo e investigação, para que se possa futuramente chegar a respostas conclusivas.

Insônia

A insônia é um dos sintomas mais significativos dos pacientes com câncer, juntamente com a ansiedade. Acupuntura foi pesquisada entre pacientes com insônia com resultados mistos. Um pequeno estudo realizado com pacientes não oncológicos concluiu que a acupuntura pode reduzir significativamente a insônia e a ansiedade, com melhoras visíveis na secreção noturna de melatonina e em medidas polissonográficas.

Uma meta-análise mostrou que a taxa de melhora da insônia produzida por acupuntura auricular foi significativamente maior que a do uso do diazepam. Os autores deste estudo concluíram que a acupuntura auricular parece ser eficaz no tratamento da insônia.

Boca seca (Xerostomia) induzida por radioterapia

Xerostomia, ou boca seca, é considerado um fator significativamente associado à disfagia (dificuldade para engolir). Vários ensaios clínicos sugerem que a acupuntura pode melhorar a xerostomia causada por radioterapia em pacientes com câncer de cabeça e pescoço. Estudos usando ressonância magnética funcional encontraram uma relação entre a estimulação de um ponto de acupuntura localizado na base do dedo indicador e a ativação da área de função cerebral responsável pela salivação.

Dispneia

Embora ainda não tenhamos evidências clínicas do tratamento por acupuntura na dispneia de pacientes com câncer, alguns estudos preliminares sugerem que a acupuntura e a acupressão podem melhorar a função respiratória e qualidade de vida dos pacientes que têm asma, bronquiectasia e doença pulmonar obstrutiva crônica. 

Acupuntura em cuidados paliativos

Um estudo piloto demonstrou a viabilidade de se administrar o tratamento por acupuntura como terapia paliativa coadjuvante em pacientes com câncer avançado. Quarenta pacientes ambulatoriais com câncer avançado de mama ou ovário que estavam recebendo cuidados paliativos convencionais foram recrutados para receber tratamento de acupuntura por 8 semanas (total de 12 sessões). Vinte e seis pacientes (65%) completaram todas as 8 semanas de tratamento, alcançando assim o principal objetivo de mostrar a viabilidade do estudo. Ao longo do tempo, uma diminuição significativa na gravidade dos sintomas foi observada com relação à fadiga, dor e insônia. 

Medidas de qualidade de vida relacionadas à severidade e nível de interferência da dor, estresse físico e psicológico, satisfação com a vida e estado de humor apresentaram maiores pontuações positivas durante o tratamento de acupuntura quando comparados com o início do tratamento - e os resultados foram mantidos por 12 semanas em relação à linha de base. 

Podemos concluir então que a acupuntura, eletroacupuntura, juntamente com o conjunto de atos e procedimentos que compõem a Medicina Tradicional Chinesa são geralmente seguros para pacientes de todas as idades. Entretanto, situações como gravidez, uso de marca passo cardíaco, uso de medicamentos anticoagulantes, e quadro clínico geral severamente comprometido - precisam ser cuidadosamente avaliados quanto à possibilidade de se administrar tratamento por acupuntura ou de se associar estimulação elétrica às agulhas.

É essencial, portanto, que o paciente - antes de iniciar o tratamento utilizando uma das técnicas descritas - discuta amplamente suas indicações e diretrizes com toda a equipe médica, e esclareça todas as sus dúvidas para assim poder otimizar os resultados obtidos.

 

BrazilHealth
Os alimentos aliados e inimigos da saúde dos ossos - Dra. Dai Cavalcanti
Muitas pessoas acreditam que para uma boa saúde óssea basta consumir alimentos ricos em cálcio, mas ...

Dia do Médico - 18 de Outubro - Dr. Maurício Simões Abrão
Esses profissionais são verdadeiros promotores de esperança. Não importa a especialidade, sua missão...

Vitamina D - qual é a dose certa e como obtê-la? - Renata Pereira
Também conhecida como vitamina do sol, a vitamina D desempenha um papel importante na função imune. ...

Osteoporose - Causas, sintomas e tratamento - Prof. Dr. Moisés Cohen
Essa semana falaremos sobre osteoporose. E para abrir essa série, convidamos o ortopedista, Dr. Mois...

Diagnóstico Obesidade: Quando mais cedo, melhor! - Dra. Maria Edna de Melo
Para fechar a semana da obesidade, convidamos a Dra. Maria Edna de Melo, Presidente da Associação Br...

BrazilHealth