logo

BrazilHealth
Fazer login
10 dicas para evitar danos à sua audição!

Dr. Ricardo Ferreira Bento, Otorrinolaringologia
Publicado em 17/07/2017 - Atualizado em 24/07/2017


A audição é um sentido nobre essencial ligado à aquisição e desenvolvimento da linguagem oral, assim como às relações interpessoais e ao meio ambiente. Atualmente a perda auditiva afeta cerca de 3 a cada 1000 nascidos-vivos e quase de 6 milhões de pessoas são portadoras de deficiência auditiva no Brasil.

Esta deficiência é altamente incapacitante pelos seus efeitos na comunicação, impacto no desenvolvimento cognitivo e psicossocial. Assim, devemos nos atentar aos mínimos sinais e cuidados simples para sua prevenção.


Apresentamos abaixo 10 dicas úteis para evitar dano à audição e identificar precocemente os riscos da perda auditiva:

1. Não introduza objetos de quaisquer natureza no conduto auditivo na tentativa de limpá-lo. A orelha expulsa a cera em excesso naturalmente e interferir neste processo pode ocasionar a perfuração do tímpano, impacção do cerume e processos infecciosos.

2. Sempre complete o tratamento de gripes, otites e sinusites, conforme a orientação do seu médico e nunca com soluções caseiras. Infecções mal tratadas podem levar a perda permanente da audição.

3. Quando resfriado, evite assoar o nariz. A limpeza nasal adequada deve ser feita através de lavagens com soro fisiológico pelo menos 3 vezes ao dia. Assim, haverá menor risco de a secreção atingir a orelha média pela tuba auditiva e causar otites.

4. Durante o tratamento de doenças infecciosas da orelha proteja-a com um pedaço de algodão embebido em óleo de hidratação infantil ou mesmo em azeite para que não haja risco de entrada de água no banho. Durante o dia, a proteção deve ser removida para que a adequada ventilação da orelha ocorra normalmente.

5. Quando expostos a ruídos diários acima de 85dB, seja em exposição prolongada, esporádica ou súbita, devemos sempre utilizar EPIs (Equipamentos de Proteção Individual), já que estímulos sonoros de alta intensidade podem matar as células da audição permanentemente.

6. Controle o nível sonoro dos brinquedos infantis! Crianças e bebês suportam a mesma intensidade de som que os adultos, porém eles estão sujeitos a um maior risco quando a intensidade sonora é maior.

7. Qualquer suspeita de redução da audição em recém-nascidos ou atraso no desenvolvimento da linguagem implica na investigação audiológica obrigatória. Da mesma forma, a protetização precoce determina melhor resultado futuro na compreensão da fala e também reduz a taxa de demência em idosos.

8. Em eventos musicais, evite exposição direta às caixas de som. A sensação de zumbido pode ser decorrente de um trauma auditivo e é um sinal de alerta que deve ser investigado por um otorrinolaringologista.

9. Qualquer sensação de perda auditiva súbita em crianças ou adultos deve ser investigada o mais breve possível. Postergar o diagnóstico e o início do tratamento pode reduzir as chances de cura.

10. Adolescentes e adultos que utilizam fones de ouvido estão mais susceptíveis ao trauma acústico. Para reduzir este risco, seu uso diário deve ser realizado com sons de intensidade máxima de 60dB por até 60 minutos.

Qualquer perda de audição deve ser avaliada e tratada o mais rápido possível pois se demorar pode ser irreversível!

BrazilHealth
Os alimentos aliados e inimigos da saúde dos ossos - Dra. Dai Cavalcanti
Muitas pessoas acreditam que para uma boa saúde óssea basta consumir alimentos ricos em cálcio, mas ...

Dia do Médico - 18 de Outubro - Dr. Maurício Simões Abrão
Esses profissionais são verdadeiros promotores de esperança. Não importa a especialidade, sua missão...

Vitamina D - qual é a dose certa e como obtê-la? - Renata Pereira
Também conhecida como vitamina do sol, a vitamina D desempenha um papel importante na função imune. ...

Osteoporose - Causas, sintomas e tratamento - Prof. Dr. Moisés Cohen
Essa semana falaremos sobre osteoporose. E para abrir essa série, convidamos o ortopedista, Dr. Mois...

Diagnóstico Obesidade: Quando mais cedo, melhor! - Dra. Maria Edna de Melo
Para fechar a semana da obesidade, convidamos a Dra. Maria Edna de Melo, Presidente da Associação Br...

BrazilHealth