logo
BrazilHealth
Fazer login
Home  >  Videos e artigos  >  Desnutrição Hospitalar
Desnutrição Hospitalar

Dr. Dan Linetzky Waitzberg, Gastroenterologia
Publicado em 22/11/2017 - Atualizado em 10/12/2018



Desnutrição clínica - entenda

A desnutrição pode ser definida como um desequilíbrio metabólico causado pelo aumento da necessidade calórico-proteica, consumo inadequado de nutrientes com consequentes alterações da composição corporal e das funções fisiológicas.

A desnutrição que acontece no ambiente hospitalar vem normalmente associada à doença de base do paciente. Porém, diversos fatores contribuem para seu agravamento como a idade avançada, tratamento com múltiplas drogas, quimioterapia, radioterapia, cirurgias, saúde dental, isolamento social, entre outros. 

O nutricionista faz a identificação por meio de perguntas simples (triagem nutricional) ou exames (avaliação nutricional). No caso do paciente internado, esse profissional observa o consumo alimentar do paciente. Se ele estiver comendo apenas a metade (ou menos) das refeições servidas é necessário intervir do ponto de vista nutricional.

Riscos da Desnutrição

A desnutrição causa um impacto negativo na saúde do indivíduo de forma geral. Um dos efeitos da desnutrição é a perda de massa magra, que eleva o risco de infecção, diminui a cicatrização e aumenta o risco de mortalidade em doenças agudas e crônicas. Há também o risco de complicações pós-operatórias e tempo maior de internação.

“A desnutrição hospitalar ou a desnutrição associada às doenças afeta todos os países do mundo. O que diferencia cada país é a forma como o governo e os profissionais de saúde intervêm, identificando os pacientes de risco nutricional ou desnutridos precocemente e implementando uma terapia nutricional adequada. O papel do governo é crucial na reversão deste cenário. O Reino Unido se destaca mundialmente no estudo e no tratamento da desnutrição hospitalar. Eles são responsáveis pela condução de uma série de estudos clínicos que deixam claro a alta prevalência da desnutrição”, ressalta Dan.

Tratamento

A detecção precoce do risco nutricional ou desnutrição é fundamental para recuperar este paciente. O manejo nutricional deste paciente engloba a orientação de um nutricionista, a adequação de toda a alimentação, o acréscimo de suplementos nutricionais sempre que necessário ou o uso de uma sonda enteral, se a alimentação oral estiver impossibilitada.

Os suplementos nutricionais orais contêm os nutrientes necessários de forma concentrada para que o paciente ganhe peso, recobre o apetite e se recupere melhor. No caso dos pacientes que não conseguem se alimentar ou aceitar o suplemento nutricional oral, utiliza-se a nutrição enteral. Neste caso, utiliza-se uma sonda ou cateter fino e confortável que a equipe de saúde introduz no paciente por via nasal ou percutânea, tendo sua porção final localizada no estômago ou intestino. Assim, a dieta enteral líquida é administrada por esta sonda, chegando diretamente no sistema digestório do paciente. Porém, quando o aproveitamento do alimento pelo aparelho digestório não é possível, a nutrição parenteral apresenta-se como alternativa, utilizando-se a via intravenosa para administração de nutrientes na forma de produtos (medicamentos) específicos para esse tipo de procedimento.

Um estudo de 2016 demonstrou que os pacientes que receberam uma intervenção adequada com suplementação nutricional por via oral tiveram, em média, a permanência hospitalar reduzida para aproximadamente 2 dias (ou 13% do tempo de internação) e redução de 35% complicações.

Uma análise realizada em 2014 no banco de dados americano Medicare com 378 mil pacientes revelou que o uso de suplementação nutricional por via oral apresentou uma redução média de 12% nos custos de hospitalização por doença pulmonar obstrutiva crônica.

Pesquisadores franceses conseguiram medir o impacto financeiro do tratamento com suplementação oral acompanhando 378 indivíduos com mais de 70 anos pelo período de 1 ano. Eles concluíram que o investimento em suplementação para pacientes domiciliares está relacionado à redução de custos na comunidade. Em média, é feita uma economia de US$ 18 em cuidados médicos para cada US$ 1 gasto em suplementação nutricional por via oral. Os custos de saúde dos pacientes desnutridos em domicílio foram de € 929 enquanto os pacientes que faziam uso de suplementação oral tinham um custo de € 278 euros, ou seja, uma diferença de 234%.

Conclusão

Diversos estudos demonstram a importância da avaliação nutricional nos hospitais e em pacientes home care para que a condição seja detectada no início e a intervenção com suplementação oral possa ser implementada o mais rápido possível com o objetivo de melhorar a qualidade de vida dos pacientes.

A aplicação rotineira de terapia nutricional, tanto no ambiente hospitalar quanto no domiciliar, melhora os resultados clínicos e é uma medida financeiramente efetiva, com a expectativa de redução dos custos ligados à saúde.

Infelizmente, a desnutrição hospitalar continua alta no Brasil com consequências muito graves para os pacientes. A implementação de avaliações e diagnósticos, assim como a indicação de suplementos nutricionais orais como o primeiro passo para tratar essa condição ainda é baixa e exige investimento em educação para mudar as práticas.

Artigo

Link para o artigo: http://revista.nutricionhospitalaria.net/index.php/nh/article/view/1098.

Prof. Dr. Dan L. Waitzberg possui graduação em Medicina pela Faculdade de Medicina da USP (1974), mestrado pela Universidade de São Paulo (1981) e doutorado pela Universidade de São Paulo (1986). Atualmente é professor associado da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, diretor presidente do Grupo de Nutrição Humana, coordenador da Comissão de Nutrição Clínica do Complexo Hospital das Clínicas, coordenador da Equipe Multidisciplinar de Terapia Nutricional do ICESP e coordenador da Residência Médica de Nutrologia do Hospital das Clínicas.

Referências no artigo:

1. Correia MITD, Perman MI, Waitzberg DL. Hospital Malnutrition in Latin America: A systematic review. Clin Nutr 2016: 1-10. DOI 10.2016/j. clnu.2016.06.025.

2. Correia MITD, Waitzberg DL. The impact of malnutrition on morbidity, mortality, length of hospital stay and costs evaluated through a multivariate model analysis. Clin Nutr 2003;22(3):235-9. DOI: 10.1016/S0261-5614(02)00215-7.

3. Elia M, Normand C, Norman K, Laviano A. A systematic review of the cost and cost effectiveness of using standard oral nutritional supplements in the hospital setting. Clin Nutr 2016;35(2):370-80. DOI: 10.1016/j.clnu.2015.05.010.

4. Guest JF, Panca M, Baeyens JP, De Man F, Ljungqvist O, Pichard C, et al. Health economic impact of managing patients following a community-based diagnosis of malnutrition in the UK. Clin Nutr 2011;30(4):422-9.

5. Arnaud-Battandier F, Malvy D, Jeandel C. et al. Use of oral supplements in malnourished elderly patients living in the community: a pharmaco-economic study. Clin Nutr. 2004 Oct;23(5):1096-103.

Deixe um comentário
Foto
Comentários
  1. Olá, tudo bem? Eu estava pesquisando sobre um artigo e encontrei seu site e achei bem legal obrigado por compartilhar! Recentemente eu publiquei um conteúdo sobre abertura de empresa. http://www.contabilidadeolimpia.com.br/blog/abertura_de_empresa Caso queira linkar, agradecemos a parceria. Att.

BrazilHealth
Mais Lidos
Corte no dedo: O que fazer? - Prof. Dr. Alvaro Cho
O corte no dedo é um dos principais acidentes domésticos do dia-a-dia. Os cortes ocorrem nas mais va...

O PSA após a cirurgia ou a Radioterapia - Dr. Fernando Maluf
Você sabe qual é o valor do PSA que indica a volta do tumor após a cirurgia? Será que o PSA associad...

O que é Medicina Integrativa? - Editorial
Na contramão da medicina tradicional e ortodoxa, terapias alternativas estão ganhando cada vez mais ...

Diferença entre limpar e umidificar o nariz. - Dr. Paulo Mendes Jr
Você sabe a diferença entre limpar, umidificar e aliviar o nariz? Especialista explica qual o melhor...


Relacionados
Ataque Cardíaco ou Parada Cardíaca: O QUE FAZER? - Dra. Denise Hachul
Reconhecer os sintomas e seguir para um hospital imediatamente pode ser a diferença entre a sobreviv...

10 Dicas para Cuidar da Pele no Verão - Dra. Adriana Vilarinho
Hábitos saudáveis e adequados vão te ajudar a manter a pele bonita e radiante o ano inteiro

Fontes de cálcio aos intolerantes à lactose - Harvard Men's Health Watch
Quais são as melhores fontes de cálcio para pessoas que são intolerantes à lactose? Essa é uma pergu...

Cuidados para a pele no inverno - Dra. Adriana Vilarinho
Conheça algumas recomendações para ficar com a pele bonita e saudável durante o inverno.

BrazilHealth