logo
BrazilHealth
Fazer login
Home  >  Videos e artigos  >  10 Dicas para cuidar da sua gengiva
10 Dicas para cuidar da sua gengiva

Dr. Cláudio Pinho, Odontologia
Publicado em 10/09/2019 - Atualizado em 13/11/2019



A gengiva faz parte dos tecidos que circundam os dentes, o periodonto. É importante que estejamos alertas para alguns sinais, principalmente os de caráter inflamatório, para que possamos afastar doenças e desordens.

A partir da formação do biofilme bacteriano ao redor dos dentes, a gengiva pode inflamar e dar origem à GENGIVITE. O próprio organismo responde a esta agressão bacteriana e promove um recrutamento de células do corpo para se deslocar para a boca. 

A extensão da inflamação depende de uma série de fatores, especialmente do potencial de agressividade das bactérias que ali se encontram, da condição sistêmica do organismo do indivíduo e da higiene bucal que ele desempenha. Se esta inflamação progredir, pode ativar o processo de perda do suporte ósseo e perda de colágeno. Temos então instalada a PERIODONTITE ou DOENÇA PERIODONTAL, resultante da interação entre a placa bacteriana e a resposta imunológica do indivíduo.

Importante ressaltar que a doença periodontal pode gerar um risco sistêmico ao paciente, como por exemplo, problemas cardiovasculares, pulmonares, interferência no controle glicêmico, entre outros.

Seguem algumas dicas de como prevenir problemas gengivais e periodontais:

  • Escovar os dentes em intervalos regulares. O ideal é que a limpeza aconteça após as principais refeições (café da manhã, almoço e jantar). Desta forma, evitamos a formação do biofilme dental e prevenimos processos inflamatórios de origem bacteriana.

  • Passar o fio dental entre os dentes, uma vez que nestas regiões a escova de dente não consegue limpar. Lembre-se: o dente tem cinco faces que precisam ser higienizadas e a escova só limpa três delas. O fio dental é que complementa este importante cuidado.

  • Realizar manutenções periodontais frequentemente. Um exame periodontal clínico específico e complementos com radiografias devem ser realizados para o correto diagnóstico. O intervalo entre as manutenções é individual, uma vez que as particularidades do estado sistêmico de cada paciente são individuais.

  • Trocar restaurações que não estejam satisfatórias. Atenção para os locais onde o fio dental desfia ou passa livre, sem oferecer resistência. A restauração naquele dente pode estar com excesso ou falta, e isso traz um potencial dano ao periodonto.

  • Evitar o trauma mecânico nos dentes/gengivas. Isso acontece quando a técnica de escovação está errada, quando há força ao escovar os dentes e também quando as cerdas da escova são duras.

  • Manter a oclusão (mordida) ajustada. O trauma oclusal pode afetar todo o periodonto, além de danos na estrutura do dente. Uma associação de fatores pode levar às recessões gengivais.

  • Não fazer bochechos sem a correta indicação. O uso indiscriminado de enxaguatórios bucais pode mascarar problemas gengivais e sinais clínicos de inflamações.

  • Pacientes que serão submetidos ao tratamento ortodôntico devem se certificar que o suporte e proteção dos dentes se encontra saudável. Se a movimentação ortodôntica acontece sobre um periodonto doente, pode haver um colapso desses tecidos e o risco de perder o dente é real.

  • Não fumar. Indivíduos tabagistas estão no grupo de alto risco para doenças gengivais / periodontais. Além de modificar a qualidade da resposta imunológica, não chegam células de defesa suficientes para atuarem no combate contra a placa bacteriana.

  • Controlar a glicemia. Outro importante grupo de alto risco são os pacientes diabéticos. Este grupo tem 2,5 vezes mais chances de desenvolver alterações periodontais do que indivíduos que não apresentam esta enfermidade. A doença periodontal é a sexta complicação do diabetes. As duas doenças estão totalmente interligadas e merecem cuidados específicos. Estar atentos às recomendações endocrinológicas e periodontais evitará complicações.

Cuidar da saúde bucal é cuidar da saúde geral! A boca não está isolada do restante do corpo e problemas advindos dali podem repercutir negativamente na saúde sistêmica.

Co-autora: Dra Patrícia Firmino

Deixe um comentário
Foto

Repita os caracteres a seguir no campo de texto abaixo:
Comentários
  1. Muito obrigada pela conscientização dessas orientações

  2. Muito obrigado pôr ensinar como cuidar da saúde bucal

Mais Lidos
11 alimentos que reduzem o colesterol - Harvard Medical School
Recentemente cardiologistas brasileiros estabeleceram valores mais rígidos de colesterol ruim. Conhe...

Substituição da Válvula Mitral e Aórtica - Dr. Jose Armando Mangione
A cirurgia para a substituição da válvula aórtica é um procedimento que vem ganhando cada vez mais e...

O PSA após a cirurgia ou a Radioterapia - Dr. Fernando Maluf
Você sabe qual é o valor do PSA que indica a volta do tumor após a cirurgia? Será que o PSA associad...

Corte no dedo: O que fazer? - Prof. Dr. Alvaro Cho
O corte no dedo é um dos principais acidentes domésticos do dia-a-dia. Os cortes ocorrem nas mais va...


Relacionados
Gengiva Inflamada? Saiba o que fazer! - Dr. Mauro Teixeira
Convidamos o Dr. Mauro Teixeira, pós-graduado em prótese pela International Dental Academy Tokyo par...

Por que acontece a retração da gengiva? - Dr. Sérgio Kignel
A retração gengival, também chamada de recessão gengival é muito mais comum do que imaginamos. Pode ...

Dentes saudáveis significa gengiva saudável? - Dra. Daniela Teixeira
Dente íntegro, sem cárie ou até mesmo sem restauração é ótimo, mas não significa obrigatoriamente sa...

Os 3 problemas mais comuns da gengiva - Dr. Marcelo Jacob
Você sabia que as doenças gengivais e periodontais são as mais comuns do mundo? Saiba quais são os 3...