logo
BrazilHealth
Fazer login
Home  >  Videos e artigos  >  Coronavírus em Crianças
Coronavírus em Crianças

Harvard Medical School, Harvard Health Publishing
Publicado em 29/04/2020 - Atualizado em 26/05/2020



A vida das crianças foi virada de cabeça para baixo com esta pandemia. Com as escolas fechadas, atividades esportivas canceladas, a vida das crianças nesse momento está sem rotina. As crianças também têm dúvidas sobre o coronavírus e merecem respostas adequadas para não alimentarem a chama da ansiedade. Esclarecer essas dúvidas também ajuda no engajamento de ações importantes como lavar as mãos, distanciamento social e outros. 

As crianças são imunes ao vírus que causa o COVID-19?
Crianças, incluindo crianças muito pequenas, podem desenvolver COVID-19. No entanto, as crianças tendem a apresentar sintomas mais leves, como febre baixa, fadiga e tosse. Algumas crianças tiveram complicações graves, mas isso tem sido menos comum. Crianças com problemas de saúde subjacentes podem ter maior risco de complicações.

Bebês e crianças devem tomar as vacinas iniciais nesse momento? 
A resposta depende de muitos fatores, incluindo o que o consultório do seu médico está oferecendo. Como em todas as decisões de assistência médica, tudo se resume a pesar riscos e benefícios.

A imunização precoce de bebês e crianças pequenas - especialmente bebês de 6 meses ou menos - traz benefícios importantes. Ajuda a protegê-los de infecções como pneumococo e coqueluche que podem ser mortais, no momento em que seu sistema imunológico é vulnerável. Ao mesmo tempo, eles podem estar vulneráveis a complicações do COVID-19, caso o trajeto até o consultório médico as exponha ao vírus.

Para crianças com mais de 2 anos, a espera provavelmente é boa - na maioria dos casos. Para algumas crianças com condições especiais, ou aquelas que estão atrasadas nas imunizações, esperar pode não ser uma boa ideia.

A melhor coisa a fazer é ligar para o médico. Descubra quais precauções estão sendo tomadas para manter as crianças seguras e discuta sua situação específica, incluindo não apenas a situação de saúde de seu filho, mas também a prevalência do vírus em sua comunidade e se você foi ou pode ter sido exposto. Juntos, vocês podem tomar a melhor decisão para seu filho.

Quando deve levar seu filho ao médico durante esta pandemia?
Qualquer coisa que não seja urgente deve ser adiada até um momento mais seguro. Isso incluiria exames para crianças saudáveis com mais de 2 anos (muitos consultórios estão adiando exames mesmo para crianças mais novas, se o quadro é saudável). Também incluiria consultas de acompanhamento para os casos que podem esperar, como um acompanhamento de TDAH em uma criança que está se saindo bem social e academicamente. O consultório do seu médico pode fornecer orientações sobre o que pode esperar - e quando reagendar. Muitos consultórios oferecem visitas por telefone ou telemedicina e é surpreendente quantas coisas podem ser tratadas dessa maneira.

Algumas coisas, no entanto, exigem uma consulta presencial, incluindo:

  • Doença ou lesão que pode ser grave, criança com dificuldade de respirar, dor significativa, sonolência incomum, febre alta, machucado/corte que pode precisar de pontos ou fraturas. Nesses casos ligue para o seu médico para obter orientação sobre se você deve levar seu filho ao consultório ou a uma emergência local.

  • Crianças que estão recebendo tratamentos contínuos para uma condição médica séria, como câncer, doença renal ou doença reumatológica. Isso pode incluir quimioterapia, infusões de outros medicamentos, diálise ou transfusões. O seu médico irá aconselhá-lo sobre quaisquer alterações nos tratamentos ou sobre como devem ser administrados durante a pandemia. Não pule nenhuma consulta, a menos que o seu médico o instrua.

  • Exames para crianças muito pequenas que precisam de vacinas e para que seu crescimento seja verificado. Verifique com seu médico sobre suas políticas e práticas atuais.

  • Exames e visitas para crianças com certas condições de saúde. Isso pode incluir crianças com problemas respiratórios cujos pulmões precisam ser ouvidos, crianças que precisam de vacinas para proteger seu sistema imunológico, crianças cuja pressão arterial é muito alta, crianças que não estão ganhando peso, crianças que precisam de pontos, ou crianças com exames de sangue anormais que precisam ser verificados novamente. Se seu filho estiver sendo acompanhado por um problema médico, ligue para seu médico para obter orientação. Juntos, vocês podem descobrir quando e como seu filho deve ser visto.

Conclusão: Converse com seu médico. A decisão dependerá de uma combinação de fatores, incluindo a condição do seu filho, a prevalência do vírus em sua comunidade, se você teve alguma exposição ou possível exposição, quais precausões foram colocadas em prática pelo médico e como seria essa consulta.

Com regras de distanciamento social em vigor, bibliotecas, esportes recreativos e eventos esportivos e outros locais onde os pais costumam levar as crianças estão fechando. Existem regras práticas em relação ao momento de brincar? Eu não quero meus filhos estacionados na frente das telas o dia todo.

Momento de brincadeiras ao ar livre, sem aglomeração, que você consiga manter a distância física, pode ser positivo. Algo como fazer um passeio de bicicleta ou caminhada permite que vocês fiquem juntos com segurança (usar máscaras, trazer e usar o desinfetante para as mãos é muito importante). Você precisa manter as regras básicas sobre distância e toque. Mas se você  acha que seus filhos não respeitarão essas regras, não vá.

Você ainda pode fazer caminhadas em família ou passeios de bicicleta por perto para impor regras de distanciamento social. Jogos de futebol, basquete em família no quintal também são maneiras divertidas de sair.

Você também pode propor brincadeiras virtuais, usando plataformas digitais como o FaceTime ou o Skype, para que as crianças possam interagir e brincar sem estar na mesma sala.

Eu moro com meus filhos e netos. O que posso fazer para reduzir o risco de ficar doente ao cuidar de meus netos?

Em uma situação em que não há escolha - como se o avô mora com os netos -, a família deve fazer todo o possível para tentar limitar o risco de COVID-19. Os netos devem ser isolados o máximo possível, assim como os pais, para que o risco geral da família seja o mais baixo possível. Todos devem lavar as mãos com muita frequência ao longo do dia e as superfícies devem ser limpas com frequência. O contato físico deve ser limitado ao absolutamente necessário; Por mais maravilhoso que seja, aconchegar-se com a vovó ou o vovô, agora não é a hora.

Fonte: https://www.health.harvard.edu/diseases-and-conditions/coronavirus-outbreak-and-kids

Deixe um comentário
Foto

Repita os caracteres a seguir no campo de texto abaixo:
Comentários
BrazilHealth
Mais Lidos
11 alimentos que reduzem o colesterol - Harvard Medical School
Recentemente cardiologistas brasileiros estabeleceram valores mais rígidos de colesterol ruim. Conhe...

Substituição da Válvula Mitral e Aórtica - Dr. Jose Armando Mangione
A cirurgia para a substituição da válvula aórtica é um procedimento que vem ganhando cada vez mais e...

O PSA após a cirurgia ou a Radioterapia - Dr. Fernando Maluf
Você sabe qual é o valor do PSA que indica a volta do tumor após a cirurgia? Será que o PSA associad...

Corte no dedo: O que fazer? - Prof. Dr. Alvaro Cho
O corte no dedo é um dos principais acidentes domésticos do dia-a-dia. Os cortes ocorrem nas mais va...


Relacionados
A vida tem que continuar - Dr. Marcelo Bendhack
Cuidar da saúde nunca foi tão importante. Pequenas coisas podem fazer grandes diferenças. Veja algum...

Faça Exercícos com Segurança durante a Pandemia - WHO
Confira as orientações da Organização Mundial da Saúde para que você pratique sua atividade física c...

Efeitos Positivos da Quarentena no Meio Ambiente - CBS News
Fotos surpreendentes de antes e depois mostram declínio dramático na poluição em todo o mundo durant...

Cuidados que Diabéticos devem ter com COVID-19 - Harvard Medical School
A renomada instituição americana Harvard Medical School explica o que você precisa saber sobre o COV...

BrazilHealth